domingo, 3 de outubro de 2010

Falta.


Perdi o jeito.
Andei lendo o passado
E não sei de onde vieram aquelas palavras
Parecia ter tanto afeto
Acho que deixei o fogo alto demais
Cozinhar é uma arte
Vai ver passei do ponto
Devia ter descido na outra estação
O inverno sempre foi acolhedor
Um bom vinho e dá-lhe poesia
São Paulo me tirou a sutileza
Sempre fui mar
Navegava em mares de amor e poesia
Tinha ritmo
Virei pedra
Concreto cansa
O ar cinzento cansa
A pressa cansa
Não consigo escrever apressado
Sem o olhar de encanto
Preciso do suspiro e do sussurro
Do sorriso e até do espanto
Da declaração sem hora marcada
Da surpresa de um abraço apertado
Falta um sol maior
Tenha dó!
Falta descobrir
O que tanto me falta.

By Leeh

2 comentários:

Janaina Monteiro disse...

Nossa Ale,

Que poeta descobri que vc é...lindo este poema..e Sampa deixa a gente assim mesmo!!
É preciso saber bem o que se quer...onde quer chegar...e se tudo vale a pena...sacrifícios...No fundo temos que provar pra depois saber!
Escolhas...

Bjus Jana

Andreia. disse...

Parabéns poeta!
Lindas palavras cheias de emoção!
És um fazedor de arte...
Beijos, com cores!