quarta-feira, 29 de agosto de 2007

Madrugada em Você.


Na noite, pecados, clima voraz
Percorro teu centro, desvendo sinais
De olhos fechados, segredos mortais
Que a boca revela quando quer mais

Nas mãos que se cruzam, quadril a quadril
Num jogo marcado, acendendo um pavio
A febre nos lábios, um breve arrepio
Te procuro, te invado, loucuras no cio

No ar que te falta, no meu balançar
Dois corpos na cama, gritos, gemidos no ar
De repente tão molhada que me sinto embriagar
Mato a sede nos teus seios, gozo intenso a mergulhar

E no descanso dos guerreiros
Rios amantes a jorrar
Nas marcas de um amor terreno
O gozo d’alma como par

Um comentário:

Tati disse...

Bem escrito, ainda tiraria algumas rimas, mas gostei da forma que você desenhou os momentos, pintou os desejos e mostrou a maneira que você sente quando vive tudo isso.

Como eu disse, tirando a força das rimas exageradas que quebra o ritmo eu gostei muito desse.


Beijos