quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

Descaso.


Errei a letra
Mas foi por querer
Pra fugir do certo
Ando com nojo do correto
Do perfeito
Ando desconfiado
Acho que é muita pretensão
Deve ser coisa do diabo
Prefiro derrapar na curva
Prefiro os lugares mais íngremes
Não sinto a dor na vaia
Mas no aplauso frio
De sorriso amarelo
Sou um vira-mundo
Andarilho solto
Mochila nas costas
O que me resta?
Um violão
Violeta
E paixão!
A poesia?
Já fiz melhores
Mas hoje não é um bom dia
Nem sempre as palavras
Têm as cores que eu queria
Se quiser termine
Ou volte outro dia

3 comentários:

Mariana disse...

Às vezes o descaso é mais que necessário, pois caso só se faz ao que é digno de atenção, como por exemplo essa sua poesia. Adorei!

Beatriz talvez Luiza talvez... disse...

E se gostei, também serei bem-vinda ao voltar outro dia??

Tati disse...

Cadência LINDA Leeh. Exatamente assim que eu me sinto quando escrevo, satisfeita com as palavras que chegam a cada tempo.

Gostei do ritmo do tom, do embalo e eu diria que essa está bem você.

Soltinha.

Beijos